terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Review Filmes e um Trailer Maroto

Ae, deixei o blog meio abandonado esses dias, to viajando e é tenso que eu não paro em lugar algum, e quando paro em algum canto não tem Internet! x.x...
Bem, mas deixando isso de lado, eu vim fazer um Review e um Preview de dois filmes.

Tron The Legacy



Olha, foi meu primeiro filme em 3D, me sentia quase um virgem naquela sala de cinema SUHUSUSA. Nota para o filme, eu falo de cara, no máximo um 8 . "Orra, só isso?!", sim, a história é um tanto quanto clichê, mas ainda sim é um clichê que tenta fazer todo o resto dar uma melhorada.

O que o filme tem demais? Efeitos especiais surpreendentes! Nunca tinha visto um filme com efeitos tão alucinógenos quanto este, são luzinhas piscando, coisas meio star wars, discos fazendo um pinball e programas virando pó. É muito fera com certeza, além das motos com aquelas coisas atrás que usam para destruir um ao outro em combates no coliseu.

É, se por um lado Tron tem este lado fantástico de efeitos de recriação, caso alguém não saiba, Jeff Bridges que é o Flynn do filme 1 de Tron, volta neste filme com a mesma cara só que...Recriado digitalmente! Fiquei fascinado com aquilo, o rosto do cara ficou perfeito, obviamente você vê de cara que não é uma pessoa mesmo, mas, com a nossa computação gráfica dando passos largos logo estas coisas que fazem-nos perceber estes efeitos irão sumir.

Bem, muita coisa neste novo Tron parece para mim, uma cópia do Star Wars. Pra começar o cara meditando com uma roupa toda branca, e depois usando uma capa com luzes por dentro(muito psico @_@) e desligando energia, controlando elevadores e coisas só com a "força", pareceu BEM zuado UISAUHSAUHISAUHI.

Bem como disse antes, daria no máximo, num dia muito bom uma nota 8 para o filme, se não viram ainda, recomendo para aqueles que gostam de efeitos especiais e um sci-fi bem sem noção, caso você não goste disso, vá assistir Eat, Pray, Love...Que eu não faço idéia se presta xDD



THOR O FILME!



Bom, qualquer um que se ja leu os gibis da Marvel ou que lê mitologia sabe que é o deus Thor, "Então os céus se fecharam, ouvia-se o barulho do trovão, este era produzido pelos cascos dos bodes que puxam a carruagem dele, em suas mãos o Mjöllnir, o martelo forjado pelos anões, cujo brandir faz raios cairem dos céus e sempre que arremessado volta à mão de seu usuário, e quem seria o dono de tal carruagem e tal arma? O grande e poderoso Thor, filho primogênito de Odin".

Mas a Marvel não é fiel ao thor em diversas coisas, como por exemplo a necessidade das luvas e do cinto Megingjard para dar 10x mais força ao deus.
Outra coisa é que o vilão do filme é um irmão de Thor(na verdade no gibi e na mitologia né), Loki, o deus da trapaça, da artimanha, do comércio e da astúcia. O elenco ficou muito bom. Porém existem boatos de um possível boicote ao filme por um motivo um tanto quanto imbecil para nossa época.
O deus Heimdall, guardião de Asgard e inimigo mortal de Loki, será representado por um ator negro, e isto gerou uma total adversidade para os americanos, que dizem que todos os deuses nórdicos deveriam ser brancos, até aí tudo bem, o único pecado deles é o seguinte, se Odin, Ve e Vili criaram a terra e todos os seus habitantes, eles não iriam criar os negros, japoneses e outros se não houvessem entre eles deuses com características semelhantes(já que os deuses nórdicos nos criaram a sua TOTAL IMAGEM, porém com apenas alguns dons divinos, como a necessidade do saber).

Espero ansiosamente o filme, e espero que corresponda ao menos a 50% das minhas expectativas. O trailer acima, e é só curtir!^^

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

O Mito do Natal

Não é de hoje, que diversas pessoas sabem que Jesus Cristo não nasceu realmente no dia 25 de Dezembro ou que teria nascido em Belém. Todo o mito em volta de Belém seria que no Torá estaria escrito que o salvador dos judeus nasceria na cidade de Davi (no caso a cidade era Belém), talvez seja essa a causa deles não terem se tornado cristãos ou mesmo aceitado a veracidade de seus atos.

Porém, não estou aqui nem para atacar nem para defender a Igreja Católica Apostólica Romana, eu estou aqui para explicar como surgiu o mito do natal, afinal, era necessário transformar uma data "sacra" pagã em uma data "sacra" cristã não necessitando fazer a sociedade mudar seus dias de adoração.

O dia 25 de Dezembro era dedicado ao Deus Mitra, para explicar melhor sobre este deus, eu dei um control+c e um control+v marotão aqui no wikipédia.

"O culto a Mitra passou por diversas transformações difundindo-se gradualmente até alcançar um lugar proeminente na Pérsia e representar o principal oponente do cristianismo no mundo romano, nas primeiras etapas de sua expansão.

Sua primeira menção é de aproximadamente 1400 a.C. onde é descrito como o deus do equilíbrio e da ordem do cosmo. Por volta do século V a.C. passou a integrar o panteão do Zoroastrismo Persa, a princípio como senhor dos elementos e depois sob a forma definitiva do deus solar.

Após a vitória de Alexandre, o Grande, sobre os persas, o culto a Mitra se propagou por todo Mundo Helenístico. Nos séculos III e IV da era cristã as religiões romanas, identificando-se com o caráter viril e luminoso do deus, transformaram o culto a mitra no mitraísmo.

A religião mitraica tinha raízes no dualismo zoroástrico (oposição entre bem e mal, espírito e matéria) e nos cultos helenísticos mitra passou a ser um deus do bem criador da luz e em luta constante contra a divindade obscura do mal. Seu culto estava associado a uma existência futura e espiritual, completamente libertada da matéria.

O culto era celebrado em grutas sagradas onde o principal acontecimento era o sacrifício de um touro, cujo sangue brotava a vida, propiciando a imortalidade.

Com a adoção do cristianismo como religião oficial do império romano o mitrianismo entrou em declínio, mas o dualismo do perpétuo conflito entre o bem e o mal, luz e as trevas ainda sobreviveu sob a forma de doutrina maniqueísta."

Por um acaso lembra algumas características de Cristo, não?
Também é valido lembrar, que o próprio Osíris segundo o mito egípcio, teria recebido uma coroa de espinhos, simbolizando que mesmo sendo um rei ele estava no mesmo nível de seus fiéis. E que após morrer, Ísis teria engravidado de seu espírito divino e ele teria reencarnado como Hórus(cuja cabeça era de uma águia, um pássaro, no caso aqui...Eles teriam formado uma divina trindade literal, Pai morrer, filho renasce com o espírito santo em si).

Bom, continuando, a ligação romana de Mitra e Cristo...

"A celebração do Natal Cristão em 25 de dezembro surgiu por paralelo com as solenidades do Deus Mitra, cujo nascimento era comemorado no Solstício (de inverno no hemisfério norte e de verão no hemisfério sul). No calendário romano este solstício acontecia erroneamente no dia 25, em vez de 21 ou 22.

Acontece que a Igreja Católica em contraposição ao culto prestado a Mitra, adotou o mesmo dia para qual seria realizado a comemoração ao nascimento de Jesus Cristo. Era costume da Igreja Católica pegar elementos pagãos para santificá-los, sem que, com isso, tornar-se defeituosa a fé cristã, ou seja, não alterava a essência de suas crenças. Isso tudo para trazer conversões. Diz Cardeal John Henry Newman em referência a outras adoções: “O emprego de templos, e estes dedicados a certos santos, e enfeitados em ocasiões com ramos de árvores; incenso, lâmpadas e velas; ofertas votivas ao restabelecer-se de doenças; água benta; asilos; dias santos e estações, uso de calendários, procissões, bênçãos dos campos, vestimentas sacerdotais, a tonsura, a aliança nos casamentos, o virar-se para o Oriente, imagens numa data ulterior, talvez o cantochão e o Kyrie Eleison [o canto “Senhor, Tende Piedade”], são todos de origem pagã e santificados pela sua adoção na Igreja.” (Ensaio sobre o Desenvolvimento da Doutrina Cristã)

Os romanos comemoravam na madrugada de 24 de dezembro o "Nascimento do Invicto" como alusão do alvorecer de um novo sol, com o nascimento do Menino Mitra.

É muito possível que o cristianismo tenha plagiado também o Mitraísmo aderindo às comemorações no dia 25 de dezembro.

Esta foi a razão que levou algumas religiões,como por exemplo as Testemunhas de Jeová, a não participarem de festividades natalinas."


Só pra deixar bem claro, não tenho nada contra qualquer religião, se você reza para um Deus e é na sua, ÓTIMO, agora se você mata pelo seu deus achando que todo mundo vai começar a gostar dele por causa disso, talvez seja hora de rever seus conceitos e pensar se realmente esse Deus é um bom Deus a ser seguido... Bom Natal a Todos! =*


Fonte de pesquisa: Wikipedia, livros de mitologia egípcia, romana e até mesmo alguns estudos sobre a religião católica.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Segunda Poética!

Não, não será sempre segunda que haverá uma poesia, é que hoje eu não tava com paciência pra procurar uma boa história de mitologia, por isso provavelmente amanhã ou depois eu posto alguma história xDD.
Hoje postarei um trecho de Fausto de Goethe, o livro é bom, o único problema é que ele é em poesia o livro TODO! Dai bixo, lascou x.x ...

Anyway, um trecho do comecinho de Fausto:


"Oh minha lua cheia, oh minha doce amiga!
Possas tu não mais ver em tão cruel fadiga
o homem que tanta vez dos céus hás contemplado
a desoras velando, em livros engolfado.
Melancólica amante! a claridade tua
achou-me sempre a ler. Se hoje um teu raio, ó lua,
me levasse a pairar nos cumes apartados,
a borboletear nos antros frequentados
dos espíritos só, a saltitar liberto
da científica névoa, em fundo de um deserto,
à luz crepuscular que tácita derramas
aos selvosos desvãos, por entre as móveis ramas!
Que refrigério d’alma um banho nesse rócio
não dera, amada lua, às febres do teu sócio!
(Silêncio. Cai em desalento. Depois levanta-se, e percorre com a vista o aposento)
Que masmorra que é isto! E aqui me vou gastando
neste covil infecto, abominoso, infando,
lôbrega escuridade a que o celeste dia,
prazer da terra toda, um raio a custo envia
pelos vidros de cor em treva mascarado.
Para onde quer que fuja o olhar do emparedado,
bate nesta Babel de livros bolorentos,
pastagem da polilha, informes, sonolentos,
e em rumas de papeis, do tempo denegridos,
caótico tropel de abortos esquecidos,
que trepa, galga, encobre, enluta, afeia, inunda,
a casa desde o solho à abobada profunda;
sem falar no sem-fim de drogas, pós, essências,
máquinas, que sei eu! misérias, importâncias,
que já me infundem tédio. E a isto se apelida
o meu mundo! Isto é mundo, ou esta vida é vida?
(Dolorosamente)
E inda perguntarás, pobre homem, donde vem
a angústia que te rala, e as forças te retém?
Toda a gente a gozar dos bens que o Factor Sumo
lhe faculta na terra; e eu... neste ascoso fumo
entre ossos de animais e esqueletos!
Sus! Sus!
Fausto, longe daqui! Torna-te ao ar, à luz!"

Trecho de Fausto de Goethe

Músicas para se ouvir antes de morrer!

Hoje acordei com meu espírito de old rock pegando fogo, e falei "vo procurar alguma tab e aprender a tocar alguma música legal", mesmo pq eu toco baixo então ALGUMAS músicas são bem fáceis de se aprender e tals. E com vocês, a música considerada HINO dos Motoqueiros de todos os continentes, porque se você é motoqueiro e não conhece Born To Be Wild, você com certeza NÃO É UM MOTOQUEIRO DE VERDADE!

A música veio a se tornar hino dos motoqueiros, pq foi escrita para o filme "Easy Rider", um clássico de filmes de motoqueiros e tudo mais. O cara monta na sua harley e decide viajar pelo país tocando um foda-se pq ele quer mais é senti o vento na cara, o calor do sol no corpo e o ronco do motor da moto como único barulho...É muito amor mesmo por uma moto e por estradas. Pena que algo assim só seja seguro nos EUA ou na Europa, pq lá eles tem estradas boas, não é que nem aqui no nosso país que os caras investem em melhores tapetes para o congresso ao invés de melhores estradas para o país =/.

Sem mais delongas, a letra de Born To Be Wild do Steppenwolf:

Born To Be Wild Steppenwolf
Get your motor running
Head out on the highway
Lookin' for adventure
In whatever comes our way

Yeah, darlin', gonna make it happen
Take the world in a love embrace
Fire all of your guns at once and
Explode into space

I like smoke and lightning
Heavy metal thunder
Racin' with the wind
And the feeling that I'm under

Yeah, darlin', gonna make it happen
Take the world in a love embrace
Fire all of your guns at once and
Explode into space

Like a true nature's child
We were born, born to be wild
We can climb so high
I never wanna die
Born to be wild
Born to be wild

Get your motor running
Head out on the highway
Lookin' for adventure
In whatever comes our way

Yeah, darlin', gonna make it happen
Take the world in a love embrace
Fire all of your guns at once and
Explode into space

Like a true nature's child
We were born, born to be wild
We can climb so high
I never wanna die
Born to be wild
Born to be wild


video

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Curiosidades

Estava eu olhando alguns sites essa semana, e alguns blogs, e me deparei com imagens que até o mais macho ia acabar falando "oty coisinha mais fofinha!"...Eu tentei, mas teve alguns que não me aguentei, portanto...Seguem os babys/child Cosplayers!


















Muito Fodões!xDD

Review World Of Warcraft: Cataclysm



World Of Warcraft - Cataclysm

Bom, eu parei com os tais jogos de MMORPG há algum tempo, tenho jogado Gunbound e D.O.T.A. apenas, não que seja a melhor coisa do mundo mas são joguinhos bons pra passar o tempo. Então eu estava navegando pela internet, e me deparo com "CATACLYSM ONLY 40,00 DOLLARS NOW!" e eu pensei "vou ver o full trailer, deve ser alguma expansão old que eu não tenha visto o cinematic..."

Ainda bem que eu fui ver o cinematic dessa expansão. Algumas coisas novas aparecem no jogo, como o surgimento de uma nova raça, o que seria traduzida como Lobisomens, a possível criação de goblins nos Orcs, diversos novos dungeons, novos monstros e mapas. Mas você pensa que só fica por aí? Eu digo, quando a blizzard pensou em se puxar pra criar algo, eles conseguiram! Montarias aladas, novos combos mágicos, e o mundo de Azeroth NUNCA MAIS será o mesmo. Com a chegada de cataclysm, alguns locais foram destruídos, arruinados, e estão até mesmo cheios de magma...Enquanto outros, deixaram de ser desertos e locais destruídos e tornaram-se locais belos com criaturas novas.

Mas chega de bla bla bla, e ta na hora da Ação, segue aí os dois vídeos das expansões do jogo, que por acaso me deixou louco de vontade de começar a jogar WoW!.


video
Vídeo sobre as classes novas e tudo mais


video
Vídeo mostrando o Deathwing(novo boss fodão do jogo)

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Ocultismo/Misticismo/Sociedades

Mesmo nos dias de hoje, com diversas tecnologias, estudos científicos e coisas do gênero ainda não é possível uma compreensão racional da ligação do mundo espiritual com o mundo terreno.

Perguntas ainda hoje aterrorizam as pessoas: "E quando eu morrer, para onde irei?", "Se eu não fui honrado ou fui uma pessoa má aqui não terei uma segunda chance?!", e assim como diversas outras muito mais fortes e contraditórias.

E isso tudo trás a tona outras perguntas como: "Deus existe?", "Há mesmo uma guerra entre Deus e o Demônio?", "Existe apenas um Deus ou diversos deuses como nas mitologias?". Uma pergunta leva a outra, e neste medo incessante, o homem procura cada vez mais viver MAIS. Mas por que viver mais? Simples, se eu não morrer, possivelmente não virei a sofrer.

Mas estas perguntas todas ainda sim, em nenhuma delas haveria uma resposta para o que disse acima, como há ligação entre este mundo e o outro?

Chico Xavier é um clássico exemplo de médium, assim como diversas outras pessoas que dizem ter incorporado o Dr. Fritz, uma entidade espiritual capaz de curar doentes numa margem de 99,9%!, sua fama se deu com o brasileiro José Arigó. Mas estas pessoas seriam meros charlatães ou realmente poderiam se comunicar com o além?Bom, não da pra se saber afinal.

Mas diversas outras pessoas com poderes ou habilidades espirituais tão grandes ou elevadas quanto às pessoas mais famosas(diga-se de passagem as que aparecem na mídia), preferem esconder seus dons e muitas vezes tentar até mesmo esquecer que possui tais habilidades. Mas se alguém é capaz disto, por que preferiria esconder ou até mesmo esquecer? Pelo fato de que não é tão normal isto, pela razão de que muitas pessoas ainda veem com maus olhos estes dons(não existe um outro nome se não o de DOM, para uma coisa destas).

Alguns filmes ou desenhos tentam mostrar que não seria de todo ruim, poder ver espíritos ou ser clarividente, mas acredite, ver seus pais ou amigos morrerem, ser perseguido por pessoas que você sabe que mesmo quando você estiver no seu íntimo elas também estarão lá não me parece algo "reconfortante".

Para citar alguém que tentou cruzar esta barreira, eu citarei o "criador" da demonologia, Aleister Crowley (oh você assiste supernatural?Legal, esse aqui humilha um pouco aquele lá =/), esse marotão criou a Thelema (do grego, Vontade) uma filosofia que buscava mostrar que ao contrário do que pensam as pessoas, nós não estamos distantes de Deus porque estamos na terra ou plano terreno, estamos distante dele porque vemos pecado em tudo, por causa do egocentrismo e até mesmo pela nossa fraqueza de mente.

Mas ele não é FODA só por causa disso, Crowley também era um mago, e segundo dizem diversas fontes, ele conseguiu atravessar o mundo terreno até o espiritual, e que para chegar até este caminho ele teve de vencer seus demônios.

Demônios no meio do caminho até o "céu"?! Incrível não?A cada nova coisa surgem novos questionamentos, e como diria aquela propaganda, nós não evoluímos porque achamos as respostas, evoluímos porque cada vez nos perguntamos mais!

Bom, mas esse post foi mais um aquecimento, para deixar algo na cabeça, logo volto com mais coisas sobre o Crowley, sobre ligação terrena e espiritual, sobre anjos, demônios e seres afins...Afinal como disse Shakespeare, "Há muito mais entre o céu e a terra do que julga nossa vã filosofia..."

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Doenças e Problemas Genéticos #4

*~Distrofia Muscular de Duchenne~*

Introdução

“Eu pensei que a humanidade já estava infringida de males suficientes...e não parabenizo o Senhor pelo novo presente que a humanidade ganhou”.

Esse pronunciamento dramático foi feito por Guillaume Duchenne, neurologista francês que primeiro escreveu a doença em 1868. Referia-se a descrição histórica de uma particular doença neuromuscular progressiva e destrutiva, afetando principalmente meninos. Por um século a doença seria conhecida como uma distrofia. Depois da observação de Duchenne, essa condição seria conhecida e comumente chamada como Distrofia Muscular de Duchenne.

Outros médicos neurologistas pioneiros escreveram sobre este tipo de doença como o cirurgião escocês Charles Bell e também por distinguir nervos sensoriais de motores. Edward Meryon, nascido por volta de 1807, também escreveu sobre a Distrofia Muscular de Duchenne, analisando texturas musculares de meninos afetados pela doença após a morte. Ele observou a destruição das fibras musculares, um fato que na época Duchenne não notou. Ainda assim, a descrição de Duchenne foi a mais completa e a mais acurada até hoje.

Duchenne também foi notável por ressaltar a importância de se estudar a doença em indivíduos vivos.


1- DESCRIÇÃO DA DOENÇA

Distrofia muscular é uma doença de origem genética, cuja característica principal é o enfraquecimento e posteriormente a atrofia progressiva dos músculos, prejudicando os movimentos e levando o portador a uma cadeira de rodas. Ela é uma doença motora e se diferencia das demais porque qualquer esforço muscular que cause o mínimo de fadiga, contribui para a deterioração do tecido muscular. Isto porque o defeito genético ocorre pela ausência ou formação inadequada de proteínas essenciais para o funcionamento da fisiologia da célula muscular.

Na literatura médica são catalogadas mais de trinta tipos de distrofia. A Distrofia Muscular de Duchenne é a mais comum das distrofias, com uma incidência de 1 para cada 3.500 nascimentos masculinos. O tipo Duchenne afeta essencialmente o sexo masculino. Também é a forma mais severa de distrofia muscular, até a idade adulta o paciente estará profundamente debilitado tanto fisicamente devido à fraqueza estabelecida pela fragilidade óssea, quanto psicologicamente, já que ocorre um aparente desânimo devido ao próprio estado de saúde.

O homem com esta doença não tem como se reproduzir e esta é a razão principal de as mulheres não apresentarem a Distrofia Muscular de Duchenne. A transmissão se faz por traço recessivo ligado ao sexo e a taxa de mutação é alta. Geralmente, o quadro só é notado quando a criança começa a andar. As primeiras características são o aumento do volume das panturrilhas, decorrente do grande esforço que os gastrocnêmios são submetidos para compensar o déficit dos músculos ântero laterais das pernas, para auxiliar o equilíbrio na marcha que estes pacientes apresentam.


2- ASPECTOS GENÉTICOS

O gene defeituoso é o que sofreu uma alteração em sua estrutura, que o impede de exercer sua função normal na célula, causando doenças que podem ser transmitidas hereditariamente.

O gene defeituoso pode causar uma mutação. Se o gene “mutado” for transmitido aos descendentes causará sérias doenças. As mutações são as causadoras das distrofias musculares.


A HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X

Uma mutação ligada ao X expressa-se fenotipicamente em todos os homens que a recebem, mas apenas nas mulheres que são homozigóticas para a mutação. Mulheres heterozigóticas podem expressar o fenótipo (considerando a Hipótese de Lion).

O gene de um distúrbio ligado ao X às vezes está presente em um pai e em uma mãe portadora e, então, as filhas podem ser homozigóticas afetadas.


CRITÉRIOS DA HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X

A incidência do fenótipo é muito mais alta em homens do que em mulheres.

O gene responsável pela afecção é transmitido de um homem afetado para todas as suas filhas. Os filhos do sexo masculino de qualquer uma de suas filhas tem uma chance de 50% de herdá-lo.

O gene jamais se transmite diretamente do pai para o filho, mas sim de homem afetado para todas as suas filhas.

As mulheres heterozigóticas geralmente não são afetadas, mas algumas apresentam afecção com intensidade variável.

Um exemplo de herança recessiva ligada ao X é a Distrofia Muscular de Duchenne (DMD), que é típica e letal em homens.

A DMD tem uma taxa de mutação calculada maior do que as outras doenças genéticas. Há vários estudos onde se prevê que 1/3 dos casos é de mutantes novos e 2/3 dos pacientes são de mães portadoras. A grande maioria das portadoras não exibe qualquer manifestação clínica. Há exemplos raríssimos de meninas com DMD. A DMD compreende 15% das mutações no lócus.
A DMD é uma doença genética causada por um gene defeituoso (que sofreu uma mutação genética), localizado no braço curto do cromossomo X, em uma região denominada Xp21. A mulher possui dois cromossomos X, enquanto o homem possui um cromossomo X e um cromossomo Y. Se uma mulher tiver em um dos seus cromossomos X a mutação genética que provoca a DMD, o outro cromossomo X (que não contém a mutação), será capaz de protegê-la dos efeitos do gene defeituoso. Por isso, os afetados pela DMD são sempre do sexo masculino e o gene defeituoso pode ser transmitido por mulheres portadoras assintomáticas.

Em cerca de 2/3 dos casos de DMD, a mutação responsável pela doença já está presente na mãe do paciente (portadora assintomática), que corre um risco de 50% de ter outros filhos de sexo masculino afetados. Em 1/3 dos casos, a mutação ocorre no menino afetado pela DMD, sem ter sido herdado pela mãe, ou seja, decorrentes de mutações novas. Nestes casos, dizemos que ocorreu uma mutação nova, e o risco de recorrência para futuros filhos é desprezível.

As mutações responsáveis pela DMD e pela DMB (Distrofia Muscular do tipo Becker) ocupam exatamente a mesma região no cromossomo X (a região Xp21). A partir de 1989. O antigo Laboratório de Genética da USP (atual Centro de Estudos do Genoma Humano da USP) passou a realizar exames de DNA para o diagnóstico das Distrofias de Duchenne e Becker.

O gene da DMD/DMB é gigantesco e em aproximadamente 65% dos pacientes afetados por estas doenças ocorre a perda de um pedaço do gene. É o que chamamos de deleção de DNA. Nos 35% restantes dos casos, ocorre um defeito menor, a que chamamos de mutação de ponto.

Em 1986 dois grupos de pesquisadores dos Estados Unidos identificaram e isolaram o gene da DMD e DMB. Isto significou um grande passo no conhecimento dessas doenças, tanto no diagnóstico quanto na detecção. A partir desta descoberta foram introduzidas novas técnicas de Biologia Molecular, o que possibilitou estudar diretamente o gene responsável pelas distrofias de Duchenne e Becker.

O gene responsável pela DMD foi clonado em 1987 e identificada a proteína que ele produz, a distrofina, cuja ausência acarreta as alterações musculares. A distrofina se localiza na membrana da célula muscular, e que faz parte de um complexo de várias proteínas que, em conjunto, participam da regulação da permeabilidade desta membrana. Hoje sabemos que a distrofina está ausente ou em quantidade muito reduzida nas células musculares dos pacientes de DMD, e alterada, porém parcialmente funcional, nos músculos dos afetados pela DMB.

Assim, a triagem de distrofina pode ajudar a distinguir as duas doenças. Ela também ajuda a distinguir ambas estas doenças de outras formas de distrofia muscular. Pois apesar de existirem outras, apenas na DMD e na DMB a distrofina é afetada.


3- DESENVOLVIMENTO DA DOENÇA

Os meninos afetados são normais até 1 ou 2 anos de vida, mas desenvolvem fraqueza muscular por volta dos 3 e 5 anos, quando começam a Ter dificuldades para subir escadas, correr, levantar do chão, quedas freqüentes e aumento característico do volume das panturrilhas.

O comprometimento muscular é simétrico e inicia-se pelos membros inferiores e quadris, e, mais tarde, atinge os membros superiores. Ocorre uma acentuação da lordose lombar e uma marcha anserina (andar de pato). Contraturas e retrações dos tendões levam alguns pacientes a andar na ponta dos pés.

A pseudo hipertrofia das panturrilhas, o resultado de infiltração do músculo por gordura e tecido conjuntivo são vistos geralmente desde cedo. Alterações da coluna e dos tendões são conseqüência das alteraçoes musculares das pernas. Com o progredir da doença ocorre comprometimento dos músculos dos membros superiores. Há ainda amiotrofias predominantemente na cintura pélvica e escapular. Há progressão lenta com retrações tendíneas e perda da ambulação entre 8 e 12 anos.

A fraqueza excessiva evolui para incapacidade de andar, em geral no início da adolescência, embora a situação possa mudar graças à avanços da pesquisa voltada para o tratamento dos meninos afetados.
È improvável que o indivíduo com DMD sobreviva aos 20 anos de idade e a sobrevida além dos 25 é incomum. A morte se dá por insuficiência respiratória, broncopneumonia ou, como o miocárdio também é afetado, de insuficiência cardíaca. O cérebro é outro órgão afetado, em média ocorre uma redução de QI de cerca de 20 pontos.


4- DIAGNÓSTICO

Atualmente, o diagnóstico da Distrofia Muscular de Duchenne baseia-se no quadro clínico do paciente, na história familiar e nos seguintes exames complementares: dosagem dos níveis sangüíneos da enzima Creatinofosfoquinase (CK), que se encontram sempre muito elevados; exame de DNA para pesquisa de deleção no gene da distrofina; Biópsia muscular para o estudo qualitativo da proteína distrofina no músculo do paciente, especialmente nos casos em que o exame de DNA não identifica a deleção do gene da Distrofina.
Outra importante aplicação prática dos métodos de estudo de DNA é a detecção das mulheres portadoras pertencentes às famílias dos afetados. Atualmente, através destes métodos, é possível saber com certeza, na maioria dos casos, se uma mulher é portadora do gene da DMD. Para isso, utilizamos duas estrtégias de estudo:

1- se o paciente afetado apresenta uma deleção de DNA, podemos pesquisar diretamente a mesma deleção no DNA da mulher em risco na família. Em caso positivo, ela terá risco de 50% de Ter filhos afetados e, se desejar, poderá se submeter à um diagnóstico pré-natal em uma futura gravidez.

2- Nas famílias onde não se identifica uma deleção no DNA do afetado, procuramos diferenciar o cromossomo X que contém o gene defeituoso do outro X (normal), através de marcadores polimórficos do cromossomo X. Este método é indireto e, por ser comparativo, exige coleta de sangue de várias pessoas da família. Por isso, é um estudo mais demorado e fornece resultados com uma confiabilidade de cerca de 95%. O Centro de Estudos do Genoma Humano da USP vem implantando novos métodos de estudo para a detecção das mutações de ponto no gene da Distrofina (para aqueles 35% dos casos onde não se detecta deleção de DNA). Um destes métodos, o Teste da Proteína Truncada (PTT), utiliza o RNA extraído dos linfócitos do sangue. Este método permite identificar o ponto exato onde ocorreu o erro (a mutação de ponto) dentro do gigantesco gene da Distrofina. Além da grande utilidade para o diagnóstico da DMD/DMB, este método também pode ser utilizado para a detecção de portadores, em casos onde antes não se identificavam deleções de DNA. Embora existam inúmeras pesquisas internacionais em andamento, com o objetivo de encontrar a cura da DMD, ainda não existe um tratamento específico para esta doença e a fisioterapia exerce um papel fundamental na melhora da qualidade de vida destes pacientes.



Bibliografia:

Junqueira e Carneiro, Biologia Celular e Molecular – Ed. Guanabara Koogan 7ª ed.

Thompson & Thompson, Genética Médica – Ed. Guanabara Koogan 5ª ed.

Jorde, Carey, Bamshad, White, Genética Médica – Ed. Guanabara Koogan 2ª ed.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Religião e Paganismo #4

Este é um mito um tanto quanto...triste, pobre Calipso, destinada a amar e nunca ser correspondida.


CALIPSO


Calipso era uma ninfa do mar, expressão que abrange numerosa classe de divindades femininas de categoria inferior, mas que, ao mesmo tempo, compartilhavam muitos dos atributos dos deuses.

Calipso acolheu Ulisses hospitaleiramente, entreteve-o com magnificência, apaixonou-se por ele e procurou retê-lo para sempre, conferindo-lhe a imortalidade. Ele, porém, manteve sua disposição de regressar à pátria, para junto da esposa e do filho. Calipso, afinal, recebeu ordens de Jove para deixá-lo partir. A mensagem foi levada por Mercúrio, que a encontrou em sua gruta, assim descrita por Homero:

Verdejante, viçosa trepadeira
Forrava os muros da espaçosa gruta.
Em torno, quatro fontes cristalinas Derramavam na terra a pura linfa,
Que corria em regatos sinuosos,
Entre a verdura tenra, que violetas
Purpúreas enfeitavam.
Era um cenário Que qualquer deus veria com deleite.

Embora com muita relutância, Calipso dispôs-se a obedecer às ordens de Júpiter.
Forneceu a Ulisses os recursos para a construção de uma jangada, aprovisionou-o bem e assegurou-lhe um vento favorável. Ulisses viajou satisfatoriamente durante muitos dias, até que, afinal, quando já estava à vista da terra, desencadeou-se uma tempestade, que derrubou o mastro e ameaçou fazer soçobrar a embarcação. Nessa situação crítica, ele foi visto por uma ninfa do mar que, compadecida, pousou na jangada, sob a forma de um corvo marinho, e ofereceu-lhe um cinto, aconselhando-o a colocá-lo, pois, se fosse obrigado a se lançar à água, esse cinto o faria flutuar, permitindo-lhe alcançar a terra a nado.

Em seu romance Telêmaco, Fénelon conta-nos as aventuras do filho de Ulisses, quando à procura do pai. Entre outros lugares aonde chegou o jovem, seguindo as pegadas paternas, estava a Ilha de Calipso e, como no caso anterior, a deusa tentou todos os artifícios para conservá-lo consigo e ofereceu-se para compartilhar com ele a imortalidade. Minerva, porém, que acompanhava o jovem, sob a forma de Mentor, e dirigia todos os seus movimentos, o fez repelir as tentações da deusa e, quando nenhum outro meio foi encontrado para escapar, os dois amigos lançaram-se de um rochedo ao mar e nadaram até um navio que se encontrava ao largo.

Byron faz alusão ao pulo de Telêmaco e Mentor nos seguintes versos:

Surge no mar a ilha de Calipso
Onde sorri um porto, embora a deusa
Formosa de chorar cessara há muito,
Como cessou de olhar sobre o rochedo
Aquele que escolheu mortal esposa.
Aqui também seu filho ao mar, ousado,
Se atirou, a conselho de Mentor,
Deixando suspirosa a linda deusa.


Retirado do livro O Livro de Ouro da Mitologia.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Sobre Finais Felizes

Bom, acho que não tem regra dizendo que apenas tererazzis podem postar e, se tiver, tenho plena autorização do Guigo :D Como todos sabem, ele está há um ano fazendo cursinho. Fez alguns vestibulares agora, no fim do ano e, pelo jeito, não foi muito bem. Claro que não ficou feliz com isso, e eu, como namorada, sofro junto, afinal, mesmo a gente tendo muita esperança em relação à UFSM, se ele não passar em alguma universidade, será mais um ano sem podermos nos ver muito. Mas meu namorado e seu irmão tererazzi não estava apenas chateado, estava inconformado, pois ele ficou um ano se privando de muitas coisas para passar os dias estudando, longe da família, dos amigos e, principalmente, da namorada. Eu não sabia o que fazer e nem o que dizer pra ele. Aí vem aquelas súbitas idéias e lembranças justo na hora que eu vou tentar dormir, e então, pra não perdê-las, escrevi :D Quando o Guigo leu (escutou pelo telefone, mas se ele tivesse lido seria melhor)falou: posta no blog. Então tá aí.



Boa parte dos meus 18 anos passei em frente a uma televisão, e se ainda estou feliz com a minha vida, é porque descobri há muito tempo que o que os canais me mostram é tudo de mentirinha. As novelas e filmes sempre têm finais felizes, enquanto que na vida, no final a gente quase sempre se estrepa.

Dos vários filmes que eu e o Guigo assistimos juntos, um despertou profundo incômodo em meu namorado, justamente pelo seu final não muito feliz: Pequena Miss Sunshine. É a história de uma menininha que tem o sonho de ser, óbvio, a miss Sunshine, e para isso percorre sei lá quantos estados junto com a família em uma kombi. O irmão sonha desde criança em ser da Força Aérea (ou Aeronáutca, ou algo parecido, se não tiver esse nome nos eua), mas na viagem descobre que é daltonico e seu sonho nunca poderá ser realizado. O pai tem projetos que ele mesmo acha ótimos, porém os outros não acham a mesma coisa e, por isso, está falido. O avô é viciado em alguma droga (que termina com ína e não lembro agora) e acaba morrendo no meio da viagem. O tio é gay e tentou se matar algumas vezes por perder seu namorado para outro cara e ainda ser demitido do emprego de sei lá o que.

Ao contrário de 99,9% dos filmes, o final não é o imaginado, mesmo que a menina tenha muita vontade e tenha feito muito esforço, no final ela não ganha a faixa e ainda é proibida de participar dos concursos de beleza de todo aquele estado pelo resto da vida.

O pai da menina, no filme, sempre fala a ela: se você quer ser Miss Sunshine, você será! Isso faz com que crie certa ironia, já que toda a família é meio frustrada. Afinal, estamos acostumados com aquela moral que tem por traz de 9 entre 10 filmes americanos: se a gente quiser muito alguma coisa, se lutar e torcer com bastante força para que ela aconteça, os astros se moverão a nosso favor, o bem vencerá o mal, as portas se abrirão e no final tudo acontecerá como gostaríamos.

Esse papo de que se a gente tiver fé e lutar tudo dará certo é lindo, mas só é verdade nos filminhos de sessão da tarde. Se não nos dermos conta disso, não poderemos ser felizes nessa outra realidade, a da vida cotidiana, onde a produção é sempre mais vagabunda, os atores têm espinhas e celulite e as coisas são um pouquinho mais complicadas.

Quantas vezes, apesar de sermos legais, honestos e botarmos todas as nossas energias num projeto, não o vemos descer ralo abaixo? Isso não é justo! Não mesmo. Se o mundo fosse justo não existiriam cinco bilhões de pessoas na miséria enquanto um bilhão de pessoas comem sossegadas sua batatas fritas, assistindo aos filmes de televisão que dizem que o mundo é justo.


Com certeza não acho que todo aquele esforço é em vão e o melhor a fazer é desistir de tudo e nos afundarmos na cachaça. Mas o esforço não é igual vitória. E só podemos ser felizes e plenos se compreendermos que as coisas nem sempre funcionam do jeito que pensávamos ser mais justo, se aceitarmos a derrota como parte fundamental da vida - pois assim não ficaremos lamentando o que passou, mas sim seguiremos em frente ou pelo mesmo caminho, que ficará mais fácil depois de conhecido (Guigo, se caso não passar esse ano) ou por um diferente se aquele não for o certo para nós (menininha não Miss Sunshine) - e soubermos que há mais coisas entre o céu e a terra do que mostra nossa vã televisãozinha.

Obs: Se alguém ainda não assistiu Pequena Miss Sunshine deve estar pensando: orra, que droga, essa loca fica contando finais de filme por aí. Desculpe :]

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Ocultismo/Misticismo/Sociedades

Mais uma coisa pra escrever a respeito. Como meus amigos da Tererazzi sabem, eu sou praticamente fanático por coisas do gênero(não que os demais não sejam, acho que todos nós somos bem pirados xD), por isso vou começar postando a respeito de uma Sociedade Secreta que até hoje é mal vista por muitas pessoas, a Maçonaria.


*~Maçonaria~*


A Maçonaria é uma organização fraternal que tem como princípio básico o amor fraterno, à prática da caridade e a busca da Verdade. Existe um velho ditado que diz: "A Maçonaria escolhe homens de bem e faz deles ainda melhores".

Albert Pike, em sua opulenta obra "Moral e Dogma" diz:

"MAÇONARIA é uma sucessão de alegorias, um mero veículo de grandes lições de moralidade e filosofia. Será melhor apreciado seu espírito, seu objetvo, propósito conforme você avança pelo Graus, que você decobrirá que constitui um grande e harmonioso sistema."

O que é a Maçonaria?

*~A Maçonaria é uma associação Universal de homens livres e de bons costumes cultivando entre si os princípios da Liberdade, Igualdade e fraternidade. Devido a grande exposição de sua história e até mesmo de alguns ritos pela mídia de massa, muitos maçons declararam que no século XXI a Maçonaria se torne menos uma sociedade secreta e mais uma "sociedade com segredos" do site da Grande Loja da Inglaterra taxada muitas vezes de ordem iniciática, filosófica, filantrópica e educativa. Os seus ritos são praticados em um local apropriado, tendo seus ensinamentos transmitidos apenas para membros devidamente iniciados.

É normal dizer-se que os homens são o produto do meio que freqüentam durante as suas vidas. A Maçonaria oferece a cada um dos seus membros a oportunidade de conviver regularmente com homens de bom caráter, o que reforça o seu próprio desenvolvimento pessoal e moral. A garantia dessa fraternal convivência é conseguida pela proibição de discussões político-partidárias ou religioso-sectárias, visto que esses assuntos têm dividido os homens ao longo da história. Os maçons, sem discutir as suas crenças pessoais nestes dois assuntos, incentivam os homens a serem religiosos sem particularizar uma religião e encoraja-os a serem ativos nas suas comunidades, também sem particularizar o meio de expressão política. Os maçons, também conhecidos como "pedreiros livres", não encontram na Maçonaria ensinamentos sobre a arte da construção, como o faziam os maçons operativos da Idade Média. Assim, as ferramentas comuns que eram usadas pelos canteiros medievais, como o maço, o cinzel, o nível, o prumo, o compasso e outros, têm cada uma um significado simbólico na Maçonaria. A Maçonaria distingue-se de outras ordens fraternais pela sua ênfase no caráter moral, no seu sistema de rituais e na sua longa tradição, com uma história que data aproximadamente do século XVII. Há três graus na Maçonaria, Aprendiz, Companheiro e Mestre. A maioria das lojas têm reuniões regulares e semanais e congregam-se em Potências Maçônicas, chamadas Grandes Lojas ou Grandes Orientes.

Sistema Maçônico

*~A Maçonaria utiliza o sistema de graus para transmitir os seus ensinamentos, cujo acesso é obtido por meio de uma Iniciação (Ritual de aceitação) a cada grau e os segredos são transmitidos através de gestos, palavras e símbolos.

O nome "Maçonaria" provém do françês maçonnerie ou do inglês masonry que significa "construção". Esta construção é feita pelo maçom em suas lojas (Lodges). Defende-se também que a palavra é mais antiga e tem origem na expressão copta Phree Messen, cujo significado é "filhos da luz".

Na Idade Média havia dois tipos de pedreiros; o rough mason (pedreiro bruto) que trabalhava com a pedra sem extrair-lhe forma ou polimento e o freemason (pedreiro livre) que detinha o segredo de polir a pedra bruta.

Reconhecem-se entre si por sinais, toques e palavras que mantêm restritos. Todavia, são conhecidos e publicados os segredos da interpretação dos símbolos. Os Maçons reunem-se em Loja e cada Loja Maçônica elege de entre os membros o seu Venerável Mestre.

A Maçonaria Simbólica compreende três graus;

* Aprendiz
* Companheiro
* Mestre Maçom

Ritos

*~Os ritos ou procedimentos ritualísticos, são métodos utilizados para transmitir os ensinamentos e organizar as cerimónias maçônicas. Entre os principais destacam-se:

* Rito Escocês Antigo e Aceito
* Rito de York
* Rito Schröeder
* Rito Moderno
* Rito Brasileiro
* Rito Adonhiramita

No mundo existem mais de 200 ritos praticados actualmente, porém os mais utilizados são o de Rito de York e o Rito Escocês.

Outra classe de Ritos maçônicos menos comuns destacam-se pela abordagem mais esotérica e espiritualista como são os Ritos denominados Misraim e Memphis.

Graus

*~A maçonaria é composta por Graus Simbólicos e Filosóficos, variando de rito para rito.

A constituição dos três primeiros graus é obrigatória e está prevista nos landmarks da Ordem.

O trabalho realizado nos graus ditos "superiores" ou filosóficos é optativo e de caráter filosófico. Existem diversos sistemas de graus superiores, como o de 33 graus do Rito Escocês Antigo e Aceito, o de 13 graus do Rito de York, o de 33 graus do Rito Adonhiramita, etc.

Dúvidas Frequentes

O que é o Rito?

*~O Rito é um corpo de normas que regem os trabalhos de uma Loja, quando em reunião regular. Os ritos mais praticados são: Rito Escocês Antigo e Aceite, Rito de York ou Rito de Emulação, Rito Escocês Retificado, Rito Francês, havendo outros. As diferenças entre eles não chegam a ser significantes.

Se a maçonaria não é uma religião, porque nela se usa ritual?

*~A relação entre ritual e religião é muito freqüente, mas se analisarmos o assunto vamos notar que os rituais são uma parte de nós que pouco notamos. Ritual é simplesmente a maneira como algumas coisas são feitas, uma espécie de procedimento padrão para impor ordem e disciplina aos trabalhos. Uma reunião de condôminos obedece a uma ordem determinada, da mesma forma que uma reunião de pais e professores num colégio. Sem essa seqüência de atos a serem vencidos, temos a indisciplina e a perda de tempo. O resultado será sempre questionável. Há rituais sociais ou convenções que nos dizem como participar de uma conversação, esperando por uma pausa, como enfrentar uma fila, com paciência, sem empurrar ou tentar passar à frente com algum tipo de artifício. A Maçonaria usa um ritual porque é um modo efetivo para ensinar idéias importantes. Além disso, o ritual Maçônico é muito rico e muito antigo, remontando aos primórdios de sua criação.

O que e como se aprende ao se entrar para a Maçonaria?

*~Os maçons aprendem os seus preceitos em reuniões, que seguem liturgias, herdadas dos usos e costumes dos antigos (medievais) construtores de catedrais, utilizando como meio de transmissão dos seus ensinamentos os símbolos e as alegorias dos antigos pedreiros.

Entre outras coisas, nas Lojas maçônicas aprende-se a amar a pátria em que se vive, a se submeter às leis e às autoridades legalmente constituídas e considerar o trabalho como um dever essencial ao ser humano.

A Maçonaria ensina e pratica os princípios e os ideais da decência, honestidade, gentileza, honradez, compreensão e afeto.

O que é um Templo Maçônico?

*~Templo é o local onde se realizam as reuniões regulares das Lojas Maçônicas. Essas reuniões, nos seus primórdios, não eram feitas em local específico. A partir de construção do Freemason's Hall, na Inglaterra, em 1776, as reuniões ganharam um local fixo. Muitas Lojas, em função do tamanho de seu quadro, utilizam as instalações ou templos de outras lojas.

Racismo ou Elitismo

*~Quanto ao racismo a Maçonaria estabelece explicitamente a igualdade entre os homens sem considerar raça, credo ou cor.

Se considerarmos que apenas são convidados a participar da Maçonaria homens virtuosos e representantes da sociedade, pode-se dizer que ela é uma elite, embora o correto seja afirmar que ela impõe critérios rigorosos para a iniciação de um novo membro. Costuma-se dizer o que no homem comum é uma virtude, no maçom é uma obrigação.

Como se depreende, os critérios de seleção não se baseiam em valores materiais. A Maçonaria congrega uma ampla faixa de pessoas: profissionais liberais, comerciantes, professores, artistas, políticos, trabalhadores especializados, bancários, banqueiros, militares, empresários, etc.. Perante a Maçonaria são todos iguais.

Liderança da Maçonaria

*~A Maçonaria não tem um chefe propriamente dito, mas cada Grande Loja é presidida por um oficial denominado Grão Mestre, eleito periodicamente pelo povo maçônico da jurisdição da própria Grande Loja. Dentro da jurisdição da sua Grande Loja, o Grão Mestre é a autoridade máxima.
Desligamento

Diz-se que uma vez iniciado na maçonaria, jamais poderá sair. Isso não é verdade, não há tal impedimento. Desejando afastar-se da Maçonaria, basta que o maçom requeira o seu afastamento à Loja, pois isso é um direito seu. A Maçonaria preza a liberdade dos seus membros e defende-a tanto quanto luta para preservar a liberdade dos cidadãos em geral.

A Religião

*~A Maçonaria não é uma religião, mas defende a existência de um Ser Supremo ou Princípio Criador. Uma religião é muito mais complexa, implicando em detalhes como a existência de um plano para salvação ou caminho pelo qual se alcança uma recompensa depois da vida terrena. Implica também numa teologia que tenta descrever a natureza de Deus e divulga a descrição de modos ou práticas pelos quais um homem ou uma mulher podem buscar comunicar-se com Ele. A Maçonaria não faz nenhuma dessas coisas. Apenas abre e fecha os seus trabalhos com uma oração e ensina que nenhum homem deveria começar qualquer empresa importante sem antes buscar apoio espiritual em Deus. Apesar disso, não ensina aos homens como eles devem rezar ou o que devem pedir. Ao invés disso, prega que cada um tem que achar as suas respostas para as suas grandes perguntas na sua própria fé, na sua igreja, sinagoga ou templo religioso.

Quais são as exigências para se tornar Maçom?

*~É necessário que o candidato prima pela moral e pelos bons costumes. Deve ter uma profissão definida que lhe garanta a subsistência.

Como se faz para se tornar Maçom?

*~É preciso que o candidato seja indicado por um Mestre Maçom e tenha a sua Iniciação aprovada pela Loja. Ninguém se inscreve para ser maçom. Por suas qualidades, ele é notado por um maçom que o indica para a sua Loja. Todo um processo de admissão é desenvolvido, quando o candidato é ouvido, bem como a sua familia. Nesta fase, são prestadas informações preliminares sobre a Ordem Maçônica, seus objetivos e atividades.

Um religioso pode ser Maçom ?

*~Nada impede que um religioso seja aceite como maçom. O que jamais se verá, no entanto, é um ateu ser recebido na Maçonaria regular, pois um dos princípios básicos para a admissão na Ordem é a crença num Ser Supremo.

Os Maçons são anti-católicos?

*~Nada existe a esse respeito nas tradições e rituais maçônicos. Saliente-se que cada maçom possui as suas próprias convicções religiosas e todos convivem fraternalmente nas reuniões das suas Lojas e fora delas. A Maçonaria combate o sectarismo religioso em qualquer das suas manifestações e respeita a crença e a profissão religiosa dos seus membros.

Os rituais Maçônicos criam embaraços ao Candidato?

*~Os rituais em geral e os utilizados na Cerimônia de Iniciação foram escritos para sublinhar virtudes que deverão ser desenvolvidas pelos candidatos, tais como Justiça, Amor Fraternal, Temperança, Caridade, Solidariedade, etc.. Atualmente use-se nos rituais uma linguagem erudita e ricamente ilustrada por simbolismo. Em nenhum momento são criadas situações que possam embaraçar ou desagradar os candidatos, ou que poderiam violar as suas convicções patrióticas, crença religiosa ou familiar.

A Maçonaria é uma Sociedade Secreta?

*~Sociedades secretas geralmente são definidas como organizações desconhecidas do público e a sua existência seja escondida.

A Maçonaria, por outro lado, é bem conhecida e orgulha-se de demonstrar a sua existência. Os seus Templos e as suas Lojas são facilmente identificados e muitos deles figuram nas listas telefônicas. Muitos de seus membros costumam usar anéis, distintivos de lapela, alfinetes de gravata que os identificam como maçons. Freqüentemente os maçons participam ativamente junto da sua comunidade em trabalhos assistenciais. Finalmente, algumas atividades maçônicas são abertas e acessíveis ao público.

A Maçonaria não é apenas um Clube de Negócios?

*~Não. Dificilmente seria aprovado um candidato que quisesse entrar para a Maçonaria apenas por interesses comerciais. De qualquer forma, com o decorrer do tempo, os maçons vão criando grandes amizades uns com os outros, e não se deve estranhar quando algum negócio seja feito entre eles.



Fonte de pesquisa: Site do Ocultura.

Doenças e Problemas Genéticos #3

UUUUUUUUFA! Provas e mais provas, fiquei sem tempo de vir postar algo novo ae galerinha xDD.
Mas para aproveitar, irei postar logo duas coisas ^^.

*~Dextrocardia~*

Você achava que o coração é sempre do lado esquerdo?Que os cavaleiros sempre usavam o escudo do lado esquerdo, pois ali onde eles levantavam o braço para defender se situava o local mais importante? Pois bem, existem sérios indícios até mesmo na idade média onde guerreiros eram alvejados bem onde se situaria o coração e PASMEM, nada acontecia. O cara arrancava a flecha e ainda cagava a pau a galera!
Esta é a Dextrocardia, ou síndrome do coração do lado direito.

Dextrocardia é o nome dado à condição relativamente rara em que o coração está situado no lado direito do corpo. Há também o tipo Situs Inversus, que é uma doença congênita na qual as maiores vísceras estão colocados do outro lado, estômago e baço ficam no lado direito, fígado no esquerdo e vasos sangüineos, linfas, nervos e intestinos estão transpostos. Ocorre na quarta semana do desenvolvimento embrionário, quando o tubo primitivo se dobra para a esquerda, ao invés de ir para a direita.

Acredita-se que a Dextrocardia acontece em aproximadamente 1 em umas 100 pessoas, enquanto 1 em 1.000 destes tem Situs Inversus. Totalis acontece em aproximadamente 1 em 5.000 com Dextrocardia Situs Inversus.

A Síndrome de Kartagener acontece em aproximadamente 1 em 25 casos de Totalis. Esta desordem afeta o Sinus e os cílios Bronquial que causa Sinus constante e sintomas Bronquiais que nenhum medicamento não pode corrigir.

Embora, estatisticamente, Dextrocardia Situs Inversus não têm nenhum problema médico proveniente desta desordem, alguns são propensos a vários problemas de intestino, bronquiais e cardíacos.

Pessoas com Dextrocardia devem ser colocadas em posições contrárias quando fizerem Eletrocardiograma (ECG), além de quando estiverem fibrilando, as pás (do desfibrilador) devem ser colocadas em no lado inverso.

Bom, deve ser divertido pra essa galera chegar e falar "hey, meu coração não é ligado diretamente do lado esquerdo, logo não posso usar uma aliança no lado esquerdo da mão =/" saiuhsuhahsiuahsia
Esse tem desculpa pra não usar aliança fácil fácil xDD


PS: A única definição bem explicadinha que achei foi da wikipédia por isso...
Fonte: Wikipedia!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Review de Jogos #2



*~God Of War~*

Jogabilidade
God of War equilibra elementos de ação e raciocínio. O jogador possui diversos tipos de ataque e a animação faz com que todos os movimentos fluam de maneira natural.

Do ponto de vista da "jogabilidade", os golpes são fáceis de realizar: os controles perdoam a maioria dos deslizes de sincronia e permitindo que jogadores menos experientes se saiam razoavelmente bem. Além de suas lâminas básicas(As "Blades of Chaos", ou em português, Espadas do Caos), ao longo do jogo Kratos terá acesso a diferentes tipos de poderes e armas que poderão ser encaixados dentro de combos (combinações de golpes) cuja execução garante um dano maior ao oponente.

God of War usa a criatividade para não cair na armadilha de ser um simples jogo de "amassar botões". Todos os inimigos podem ser mortos com golpes comuns, mas muitos (os maiores principalmente) têm a opção de serem exterminados com ataques sensíveis ao contexto, como um mini-game de pressionar os botões ou girar o direcional como aparece na tela. Com isso, o usuário consegue escolher as armas que deseja.

As batalhas são intercaladas com a exploração do cenário, que esconde baús atrás de paredes falsas ou portas, ou em outra localidade difícil de enxergar; e quebra-cabeças inteligentes que requerem contrapartida intelectual do jogador. Nem muito complicados ou simples demais, os quebra-cabeças sempre estão dentro do contexto, e variam entre o acionamento de uma simples manivela até a solução, gradual, de enormes salas cheias de pequenos enigmas.

O design das fases também é variado e oferece desafio na medida certa, sem ser linear demais nem aberta ao extremo. Geralmente, o personagem tem duas ou três rotas a explorar, além de algumas salas secretas com recompensas proporcionais ao esforço de descobri-las.

Um grande diferencial do jogo é a sua forma de câmera, em terceira pessoa, mas que é automatica e se encaixa nos cenários sozinha. Muitos jogos usam este tipo de câmera, mas poucos obtêm o sucesso e a perfeição de God of War.

Enredo
Encontram-se no decorrer da história alguns dos mais famosos personagens da mitologia grega, entre os quais estão Ares, Artemis, Medusa, Hades, Afrodite, Atena, Poseidon e Zeus. Naturalmente, os inimigos vêm da mesma fonte, e monstros como ciclopes, minotauros, harpias, hidras, centauros e outras criaturas lendárias serão poderosos obstáculos para o jogador (inclusive veteranos).

História
A História inicia-se quando Kratos tenta cometer um suicídio, jogando-se da maior montanha da Grécia à beira do mar Egeu. Porém, para explicar o motivo de desejar se matar, a história retorna três semanas atrás, em que Kratos a pedido dos deuses vai em missão impedir um ataque de uma criatura que estava aterrorizando os mares - A Hidra.

Poseidon entrega a Kratos um fragmento de seu poder olímpico para auxiliá-lo a matar a criatura.

Em uma das passagens de Kratos pelos navios destruídos, ouve gritos abafados de mulheres na parte inferior do navio pedindo por ajuda. Infelizmente, a única passagem foi trancada pelo capitão do navio na esperança de salvar as mulheres em vão. Kratos então parte à procura do capitão, e ao encontrá-lo (apavorado) ele e sua tropa foram atacados por três cabeças de Hidra, sendo uma delas a cabeça original. Kratos assistindo a tudo, vê o capitão desistir de fugir entregando-se à morte certa e clamando o perdão dos deuses, mas com a chave da porta pendurada em seu pescoço. Antes de Kratos conseguir pegá-la, o Capitão é devorado inteiro pela Hidra. Na intenção de recuperar a chave, Kratos enfrenta primeiramente as duas cabeças secundárias e depois à cabeça principal, obtendo sucesso. Ao matá-la ele entra pela sua boca onde encontra o capitão desesperado deslizando pelo pescoço viscoso. Kratos o ajuda puxando-o pela chave. Agora a salvo, O Capitão agradece Kratos por vir salvá-lo. Kratos arranca a chave de seu pescoço e responde: - "Eu não voltei por você!" - empurrando o Capitão de volta a morte certa em direção ao esôfago da criatura. Kratos retorna a parte inferior onde as mulheres clamavam ajuda e ao abrir a porta, depara-se com uma carnificina e mata todos os seres que tinham causado tudo aquilo. Ele percebe que ninguém sobreviveu. O banho de sangue faz Kratos lembrar de seu passado....

Antes de servir aos deuses, Kratos era um General Espartano, que com uma sequência impressionante de vitórias contra os inimigos de sua cidade, ganhou nome, reputação e se tornou motivo de orgulho para toda a Esparta. A cada dia, mais e mais soldados desejavam lutar ao lado de seu grande herói. Em pouco tempo, o pequeno exército de Kratos agora se tornara uma legião de milhares de homens e juntos lutavam pela soberania total de Esparta. Apenas uma pessoa em toda a Esparta não aceitava a situação que Kratos criara e o enfrentara de igual para igual - sua mulher.

Um dia, em uma de suas batalhas, Kratos e seu exército enfrentara os barbaros e a derrota era certa, o número de soldados bárbaros era muito maior que o número de soldados espartanos. A arte de combate militar dos espartanos compensava seu diminuto grupo. Mesmo assim, pouco a pouco seu exército estava prestes a ser derrotado. O que os espartanos esperavam ser uma vitória, se tornou uma verdadeira carnificina. E o sinal de aviso de início da batalha era a flecha atirada pelo líder dos Bárbaros. O exército de Kratos era dizimado, e quando ele estava prestes a receber a última punição, morrer pelo martelo do Rei Bárbaro, Kratos clama pelo deus "Ares - O Deus da Guerra", fazendo um pacto, em que se ele o ajudasse a derrotar seus inimigos ele seria seu servo.

As nuvens se abrem e delas desce o Deus da Guerra, soberano e imortal. Kratos começa à dizer ao Deus da Guerra o que ele queria que fosse feito e em troca deixaria sua vida a serviço de Ares. Ares então aceita sua proposta e mata todos os bárbaros, após isso Ares entrega a Kratos a "Blades of Chaos" (Espadas do Caos) e ele, com essa nova arma, corta a cabeça do Rei Bárbaro, obtendo mais uma vitória para Esparta passando a servir fielmente às ordens de Ares. O verdadeiro motivo de Ares ter salvado Kratos, foi que ele viu uma oportunidade unica: poderia transforma-lo em um guerreiro perfeito.

O que Kratos não sabia era que quanto mais usasse sua poderosa arma mais ela o dominaria, mesmo assim ele não recusava usá-la. Agora, obtendo mais sucesso do que nunca, Kratos passa a ficar mais violento e sedento por sangue dos inimigos. Certa vez, perante a uma pequena vila que servia a Deusa "Atena - Deusa da Sabedoria", Kratos os julga infiéis e que deveriam servir a Ares e não à Atena. Seu exército queima as casas, destrói famílias e condena os homens à morte. No pequeno templo que lá havia, o Oráculo da vila alerta Kratos que se ele entrasse no templo os erros cometidos os acompanharia para sempre.

Ignorando o aviso e possuído por ódio, Kratos entra e mata todos os que se escondiam lá. Ao observar os mortos em meio às chamas, vê sua mulher e sua jovem filha mortas por suas lâminas. Ares, em aparição ao fogo no templo, anuncia que tirou de Kratos aquilo que o fazia humano e que de agora em diante seria a maior máquina de matar de toda a Grécia.

Perturbado pelo erro e vendo o que se tornará, Kratos sai do templo derrotado. O Oráculo então o condena, fazendo as cinzas de sua mulher e filha ficarem impregnadas em sua pele, obtendo uma aparência branca. À partir daí, Kratos passa a ser conhecido por toda a Grécia como - "The Ghost of Sparta" (O Fantasma de Esparta). Revoltado e com sede de vingança, Kratos abandona o posto de general de Esparta e diz não servir mais a Ares e, desse dia em diante, não descansaria até destruir o seu criador.

Após esses acontecimentos, Kratos começa a ter terríveis pesadelos, visões na qual matava seus entes queridos. E para tentar fugir de seus pecados, seu passado e de suas visões, ele começa a servir os deuses, em troca de perdão por seus atos.

Kratos serve aos deuses por 10 anos. E após ter destruído a Hidra acreditou que seu castigo enfim havia acabado. Durante a noite, depois de beber e dormir com mulheres os sonhos novamente vêm perturbá-lo. Impaciente, Kratos clama por Atena e exige que os deuses lhe entreguem sua recompensa, livrando-o de seus pesadelos que o atormentavam. Atena pede paciência e que sua recompensa seria dada se ele realizasse uma última tarefa - destruir o Deus Ares.

Atena alega que Ares estava ensandecido e que estava farto do progresso e soberania de sua cidade (Atenas), "Zeus - O Deus dos Deuses" decretou que nenhum deus deveria enfrentar outro. Sendo assim, Ares só podia ser derrotado por mãos mortais. Kratos vê então a possibilidade de se vingar do Deus da Guerra, Atena pede para que ele vá até sua cidade e que procure pelo Oráculo de Atenas. Ela lhe daria a informação de como derrotar Ares, então Kratos abandona os mares onde a Hidra apodrecia, e parte em destino a cidade de Atenas.

Em sua passagem pela cidade Kratos encontra a Deusa "Afrodite - A Deusa da Beleza e do Amor". Ela alega que os deuses estão esperançosos com o progresso de Kratos e por esse motivo ele receberá uma nova habilidade, a capacidade de pretrificar os seus oponentes, mas, para ter esse poder ele tem que merecer. Para isso, Kratos deve derrotar "A Rainha das Górgonas - A Medusa", o que logicamente ele consegue. Além de Afrodite, Kratos se encontra com o próprio Zeus. Zeus lhe entrega a capacidade de controlar os Raios.

Após enfrentar Minotauros e Ciclopes e soldados de Ares, Kratos finalmente chega ao Templo do Oráculo. Ao chegar na porta do templo, Kratos encontra um velho homem cavando um túmulo. Curioso, Kratos pergunta por que ele cava apenas um túmulo já que tanta gente estava morrendo. O homem lhe diz que estava cavando o túmulo para Kratos, mas que ainda não tinha terminado ja que ele deveria tentar permanecer vivo até que terminasse de cavar. Kratos espantado o ignora julgando-o um velho louco e que não o entendia como poderia saber de sua morte. O velho lembra Kratos de que ele não é o único a servir os Deuses e o deixa em paz para terminar a cova. Kratos então entra no templo, onde salva o Oráculo de um ataque das Harpias.

A Oráculo invade a mente de Kratos para saber se ele seria merecedor da informação. Ao ver tudo que Kratos fez em sua vida o Oráculo não compreende o motivo de Atenas o ter escolhido para salvar a cidade, mas mesmo assim, lhe diz que a única coisa que pode destruir um Deus é a Caixa de Pandora. Entretanto, por ser a arma mais poderosa que um mortal poderia ter, os deuses a haviam escondido muito bem. Ele diz que a viagem é perigosa cheia armadilhas e inimigos e que a caixa fica em um templo, em uma montanha depois do "Desert of Lost Souls" (Deserto das Almas Perdidas), localizada nas costas de umTitã vivo - Cronos - Deus dos Titãs, que foi condenado por Zeus, após a Titanomaquia, a ficar rastejando por toda a eternidade ou até que os redemoinhos do deserto conseguisse arrancar sua grossa carne de seus ossos. Ao abrir os portões, Kratos começa a buscar seu novo objetivo, a "Caixa de Pandora". Kratos faz todo um percurso, enfrentando inimigos, até chegar ao portão que foi aberto pela Oráculo.

Kratos finalmente chega ao deserto conduzido pelo cantar hipnótico das Sirenes, onde o atravessa chegando até a trombeta, que atrai o gigante Cronos. Ele passa 3 dias escalando a montanha. Lá um morto-vivo condenado por Zeus, por ser o primeiro a tentar roubar a caixa, informa que não importa o quão bravo e corajoso o guerreiro fosse, a morte dentro deste templo era certa, e que se Kratos fosse sábio deveria dar meia volta e partir. Kratos o ignora, e vendo que o conselho não havia funcionado, o morto-vivo abre os portões do templo e logo iriam se ver, pois uma das harpias iria trazer a carcaça de Kratos para ser queimada na fogueira.

Diversos desafios existem dentro do templo, como enfrentar um gigante Minotauro com uma armadura de aço, mas também tem suas recompensas como a Grande Lâmina de "Artemis - A Deusa da Caça" e O Exercito de Espiritos de "Hades - O Deus do mundo inferior". Após muito sacrifício, finalmente Kratos, encontra a Caixa de Pandora. Porém, quando está levando a caixa para fora do templo, lá de Atenas, os olhos atentos de Ares percebem o plano de Kratos. Ares arremessa uma estaca de pedra de Atenas e acerta em cheio Kratos no alto da montanha acima de Cronos, enquanto Kratos agoniza com a estaca perfurada em seu peito, as Harpias em ordem de Ares roubam a Caixa. Tendo a vista escurecendo, Kratos percebe que seu esforço foi em vão.

Kratos vai parar no tartaro, que é apresentado como uma queda infinita e com uma infinidade de plataformas compostas por espinhos, ossos pontiagudos e aparelhos cortantes. Durante a queda interminável, Kratos consegue se segurar na perna de um homem, que se segura em uma plataforma. Kratos sobe no corpo do homem (que é o Capitão). O Capitão assustado grita: "Você de novo?!". Novamente Kratos o deixa cair e segue para tentar escapar do tartaro. Ele sobe diversas plataformas e passa por vários desafios, até chegar ao fim sem ter mais nenhuma plataforma pra subir. Então um bloco de pedra preso por uma corda desce. Ele sobe na corda e acaba saindo na cova onde o homem velho estava, cavando na frente no templo do Oráculo.

Kratos entra no templo agora semi-destruído e ao final dele se depara com Ares, insultando a cidade de sua irmã (Atena) e ameaçando tomar o posto do pai (Zeus)com a Caixa de Pandora. Ares percebe que Kratos estava ali e se surpreende por ele ter escapado do inferno, e pergunta zombando a Zeus se ele seria a única arma que o pai do Olimpo conseguiu para derrotá-lo.

Farto de insultos, Kratos usa seus poderes de controlar os raios dado por Zeus e atinge a corrente que amarra a Caixa, fazendo-a cair na beira do mar.

Finalmente, após muito tempo a Caixa de Pandora é aberta, a energia que flui dela faz Kratos se tornar tão gigante quanto Ares. Ares não se assuta, pois mesmo Kratos sendo de seu tamanho ele ainda era apenas um mortal. Os dois iniciam um combate final eletrizante, porém quando Ares é ferido e percebe que a vitória não será tão fácil, pretende destruir Kratos de outra forma - psicologicamente.

Ares transporta Kratos para o momento em que ele iria entrar no templo, onde sua mulher e filha se escondiam do ataque que ele mesmo criara. Neste momento, Kratos tem que defender sua mulher e filha dos outros Kratos que surgem para matá-las. Após derrotar todos os Kratos, ele volta à batalha contra Ares. Perdendo todas as chances os Deuses mandam um último presente para Kratos e ele observa que há uma espada de pedra nas mãos de uma estátua, ele a pega e mata Ares.

Após matar Ares, Kratos pede a Atena que livre sua mente das visões. Afinal, ele tinha servido os deuses, e a deusa fala que os deuses perdoaram seus pecados, mas não apagariam suas visões, porque nem mesmo os deuses poderiam apagar tanta crueldade que Kratos fez.

Kratos, sem esperanças, compreende que sua única saída é a morte. Então sobe até a montanha mais alta de toda a Grécia, o Monte Olimpo, mas ninguém sabia que lá era o Monte Olimpo, e se joga lá de cima e cai no mar. Mas antes que ele morresse, os deuses o salvam e o levam para o alto da montanha novamente, e afirmam que alguém que tinha feito tantas coisas boas como Kratos não poderia morrer daquela forma, e como a vaga de deus da guerra estava livre, transformaram Kratos no novo "God of War" (deus da guerra).

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

FAIL/OWNED/WOW #1

Imagens pegas em diversos sites e comunidades do orkut ^^
Toda semana tento postar algumas (as vezes até mais de uma vez por semana se possível xD)











Religião e Paganismo #3

Primeiramente gostaria de Parabenizar duas pessoas neste dia 29/11/2010, minha namorada amada Natana e meu amigo bombado cuja protuberância queixal se destaca, QUEXO!
Parabéns pra vocês, nesta data querida!xD


E vamos a mais um mito pagão, este por um acaso relembra algumas religiões contemporâneas, dá pra acreditar nisso?xDD

*~O mito de Osíris~*


Os deuses tinham se afastado do convívio humano, os seres viviam em estado de barbarismo extremo. Rá sentiu piedade dos homens, e enviou à terra quatro deuses: eles nasceram de Geb e Nut ( ver Eneada Heliopolitana ). Conta a lenda ( a qual tentarei resumir apesar de suas inúmeras variantes) que Osíris nasceu rei e coroado no ventre de Nut, e os ribeirinhos do Delta ouviram uma voz trazida pelo vento suave, que dizia: "nasceu o Senhor do Mundo. Ide adorá-lo sobre um tufo de papiro, onde a Divina Criança repousa"…
Nesse instante, Seth, nervoso, impaciente por nascer, fendeu o ventre de sua mãe e um raio rasgou os céus, e ele se manifestou sob a forma de um tijolo vermelho.
Ísis nasceu então sob a forma de um trono, abrigando seu irmão e esposo Osíris.
Nut deu nascimento à Néftis, sob a forma de uma cabana, que abrigou o casal divino. Então, conhecedor de todas as coisas e do que estava por vir, Rá fez que nascesse Hórus, porém ele não encarnou. Sob a forma de um gavião, pairou sobre a cabeça de Osíris, as asas estendidas, aguardando o momento certo em que deveria se manifestar no mundo da matéria. Assim, os quatro irmãos vieram ao mundo, Osíris como rei do Egito e Ísis sua esposa. Seth e sua esposa Néftis, a qual não teve filhos, pois Seth era estéril.

Osíris instituiu um reinado de paz, tirou o homem do barbarismo,ensinou-lhe as leis justas, a pisar a uva e fazer o vinho, a cerveja, a semear e colher as primícias da terra. Ïsis ensinava as mulheres a preparar alimentos, cosméticos e remédios, a cuidar de seus lares, filhos, e se fazerem belas para seus maridos. Dizem que Osíris curava os cegos com sua saliva, fazia os deficientes andarem com um toque de suas mãos ou uma palavra de sua boca. A popularidade de Osíris foi tanta, o amor que despertava nos seres, tamanho, que provocou a inveja e a ira de seu irmão Seth, e este passou a nutrir ódio mortal por Osíris.

Chegou um tempo em que o Egito vivia em paz e prosperidade, e Osíris desejou levar à toda a humanidade a cultura e o bem. Organizou uma comitiva composta por espíritos ruidosos, alegres e brincalhões, acompanhado por nove "Messwts"( Musas? ), de modo que seu séqüito despertava a curiosidade por onde passava. Ao partir, entregou ao seu irmão Seth a incumbência de zelar pelo Egito.
No momento de sua partida, Ísis dele se aproximou, trazendo uma coroa de juncos, e disse:
"Tu és um rei, e como nascestes entre os juncos, esta é tua coroa, símbolo de humildade. E tua alma é um Cordeiro Divino, por isso, coloco em tua coroa os chifres de um carneiro…Tu és um sol sobre a terra, em tua fronte, eu coloco o Disco de Rá, para que resplandeças…e como tu és o Dom de Amor, sobre o alto da coroa eu coloco uma romã…agora estás pronto para partir."
Esta é a origem da coroa de Osíris, chamada ATEF e por vezes, WRERET, "a Grande ".

Logo que Osíris partiu, Seth procurou governar com justiça, mas sua índole era perversa e má, e o povo o rejeitava. Em pouco tempo, ele encerrou Ísis num dos aposentos do palácio, e formou uma conjuração com 72 comparsas: quando Osíris retornasse, seria assassinado.
Depois de muitos anos ausente, nos quais Osíris viajou até pelas Índias, ele retornou ao Egito. Seth então organizou um banquete em honra do irmão. Em determinado momento da festa, foi trazido ao salão um cofre magnificamente ornamentado, de proporções colossais. Seth tomara secretamente a medida de Osíris, que era de 3 metros de altura. O cofre era verdadeira obra de arte ( um sarcófago?).
Seth então declarou que aquele seria um presente para o conviva que, deitando-se nele, o preenchesse totalmente. Todos os convidados experimentaram um a um, mas ninguém cabia dentro do cofre. Quando Osíris finalmente nele se deitou, Seth e seus comparsas imediatamente fecharam o cofre, selaram-no com chumbo e o atiraram no Nilo.

No instante em que Osíris foi assassinado, Ísis sentiu uma dor terrível, e seu grito desesperado chegou aos céus. Rá a ouviu e os deuses se perguntavam: que foi isto? Mandou Rá um vento que informou Ísis do que acontecera, e ela saiu a procurar o marido. O cofre tinha descido a correnteza do Nilo, atingindo o mar pela Boca Tanítica, um dos braços do Delta, e foi parar na região de Biblos, onde um pinheiro o envolveu e cresceu de forma fantástica. O rei de Biblos tomou conhecimento do fato, mandou cortar o pinheiro e fez dele uma coluna para seu palácio.
Por onde Ísis passava, ninguém sabia dizer de seu marido, mas ela encontrou um bando de crianças que cantavam alegremente, como se estivessem em êxtase. Perguntando porque estavam tão contentes, elas responderam: "não viu o prodígio? Desceu pelo rio um cofre magnífico, brilhante como Rá em seu esplendor, e havia música no ar, perfume, e uma luz violeta envolvia o cofre…ele desceu pela Tanítica e atingiu o mar"…
Ísis compreendeu que só os olhos de crianças inocentes poderiam ter visto tal coisa, e seguiu para Biblos.

Em Biblos, Ísis disfarçou-se de velha esmolante, e se postou diante do palácio do rei, junto a uma fonte. Nela, as escravas do palácio vinham buscar água. Quando as escravas chegavam, Ísis conversava com elas, penteava-lhes os cabelos e as impregnava de um doce perfume. A rainha notou a mudança em suas escravas e indagou o que acontecia. Informada de tudo, fez vir Ísis ao palácio, onde a empregou como ama de leite de seu filho.
Durante a noite, Ísis colocava a criança em transe, envolta num halo de luz, e transformada em andorinha, volteava a coluna do palácio, emitindo piados de dor.
Aconteceu que esses fatos despertaram a curiosidade da rainha e uma noite, ela foi se certificar. Ao ver o filho em transe, soltou um grito desesperado, o encanto se desfez e a criança caiu morta. Imediatamente, Ísis se apresentou em todo seu esplendor e se deu a conhecer à rainha. Restituiu a vida à criança e contou seu drama. O rei mandou derrubar a coluna imediatamente, Ísis fendeu-a, retirou do cofre o corpo de Osíris, ungiu e santificou a madeira, a qual foi levada para o templo da cidade, onde passou a ser venerada pelos fiéis.
De posse do corpo do marido, Ísis retornou ao Egito, mas temerosa da ira de seu irmão Seth, escondeu o corpo num lugar deserto do Delta.
Sucedeu que Seth costumava caçar à noite, e numa de suas saídas, horrorizado encontrou o corpo do irmão. Temeroso, imediatamente despedaçou o corpo de Osíris, espalhando os pedaços por todo o Egito. Diz a lenda, que ele arrancou o sexo de Osíris e o atirou no Nilo, e que os peixes Lepidopus, Oxirinkos e Pleyr o devoraram. Os egípcios consideravam esses peixes impuros. Terminada sua ação hedionda, Seth retornou ao palácio.

Quando Ísis voltou aos pântanos e descobriu o que sucedera, começou a gritar, lançou terra sobre sua cabeça, rasgou suas vestes. Sua dor e seus gritos eram tais, que a barca de Rá deteve seu curso. O Deus indagou de seu cortejo o que sucedia, e lhe responderam que a barca só voltaria a navegar, se Ísis fosse ouvida pelo Pai Supremo. Rá pediu então à Anúbis que socorresse Ísis. Brilhou imediatamente no céu, na constelação do Cão Maior, uma estrela, e ela desceu à Terra. Apresentou-se Anúbis diante da deusa e ela indagou quem era ele ( aqui entra uma curiosa variante do mito, e interessante jogo de palavras, tão ao gosto dos egípcios ).
"Eu sou ANPW ( anpw= eu sou; o nome anpw expressa o verbo ser. Ao apresentar-se, Anúbis como que diz: eu sou o que sou).

Diz-se que na noite em que Osíris foi assassinado, ele embriagado errou de aposentos e entrou no quarto de sua irmã Néftis, esposa de Seth, dormindo com ela. Quando Néftis se descobriu grávida, temendo Seth, embrenhou-se nos pântanos, onde pariu Anúbis e o abandonou. Ísis, porém, desconfiada da irmã, a seguiu e depois que ela se foi, acalentou e cuidou de Anúbis. Outras fontes fazem referência a este deus como sendo filho de Rá .
"Eis-me aqui, conforme meu nome Anpw…eu sou o desvalido, a criança abandonada que tu criastes…eu sou aquele desprezado que o teu amor abrigou com piedoso carinho…Eu sou o consolo do desesperado, o amparo do aflito…Eis que me transformei num cão, vem, minha irmã, eu farejarei e tu recolherás num cesto os pedaços do deus".
E assim, onde Anúbis encontrava um pedaço do corpo, ali Ísis erguia uma capela em louvor de Osíris. E tendo recolhido todos os pedaços do deus, Anúbis costurou-o, prendeu-o em ataduras e fez dele a primeira múmia. Contudo, o pênis do deus havia se perdido para sempre, Osíris estava incompleto e mutilado.

Estando o corpo de Osíris reconstituído, Ísis e Néftis postaram-se uma à sua cabeça, outra à seus pés, e deram início às lamentações fúnebres. Ísis, através de encantamentos, procurava trazer o marido à vida, inutilmente. Transformada em gavião (ou andorinha ), ela estendeu suas asas sobre o corpo inanimado, chorando e emitindo gritos de desespero. Deitou-se sobre o corpo do esposo morto, beijou-o e, neste momento, a alma de Osíris entrou-lhe pela boca e ela se sentiu grávida. Chegara o momento em que Hórus deveria encarnar. Ísis engravidara sem cópula!
Segundo variantes da lenda, Osíris volta à vida e sobe aos céus, mas como conheceu a morte, passa a reinar no Mundo Subterrâneo, onde julga as almas dos mortos em seu tribunal.
O fato de Ísis se encontrar grávida lhe trouxe vários problemas. Seth a prendeu no palácio, mas com o auxílio de Thoth, ela fugiu para os campos de Khemnis, onde deu à luz e ocultou seu filho. Para escapar à fúria de seu irmão, perambulou com Hórus, disfarçada de mendiga, por inúmeras regiões, sofrendo todo tipo de humilhação, perseguida e repudiada por quantos a viam.
Finalmente, Hórus cresceu, tornou-se um jovem belo e forte. Então Ísis apresentou-o perante a Divina Companhia, e Hórus deu queixa de seu tio Seth, reclamando para si a herança de seu pai.

O fato invulgar acontecido dividiu os deuses. Rá temia impor sanções à Seth ( não era ele quem afugentava os demônios que perseguiam sua barca, quando Rá surgia no horizonte? ). Seth acusava Hórus de ser filho de mãe sem pai ( o que equivalia a dizer que Ísis era prostituta e o filho, ilegítimo), e que a posse do Egito lhe cabia por direito, pois era irmão de Osíris. A contenda durou oitenta anos. Ísis era astuta, sempre apresentava argumentos que favoreciam seu filho.Muitos deuses a apoiavam, outros se mostravam favoráveis à Seth. O tempo se arrastava e a questão não chegava a um termo satisfatório. Várias vezes, Hórus e Seth se enfrentaram em combate. Certa vez, tio e sobrinho entraram em conflito, sob a aparência de hipopótamos, para horror dos deuses. Ísis, vendo que seu filho estava em desvantagem, atirou um arpão contra Seth, mas errou e acertou Hórus. Seth escapou e Hórus, tomado de incontida fúria, decaptou sua mãe, fugindo para o deserto.
Os deuses ordenaram à Seth que o trouxesse de volta, enquanto Thoth colocava uma cabeça de vaca sobre o corpo de Ísis, substituindo a que ela perdera ( Ísis-Hathor ). Seth encontrou seu sobrinho no deserto, travou com ele uma violenta luta, cegou-lhe um olho e deixou-o semi- morto, fugindo. Em contrapartida, Hórus lograra feri-lo em seu sexo, e Seth teve seus testículos arrancados.
Thoth saiu a procura dos dois, encontrou Hórus ferido e restituiu-lhe a visão ( ver amuleto Wdjat ). Diz-se que o olho perfeito de Hórus é o sol e seu olho cego, a lua…
Inúmeros episódios narram as lutas entre os dois deuses e as reuniões em Conselho das divindades, buscando solucionar a questão. O próprio Osíris fez sérias ameaças aos deuses, dizendo inclusive que não mais permitiria que Rá entrasse no Mundo Inferior nem os deuses lá descansassem, quando viesse a noite. De nada valeram as ameaças. Os deuses se reuniam, Hórus e Seth apresentavam suas razões, Ísis intervia e chegou mesmo a ser proibida de participar do Conselho Divino…

Sentindo que aquela disputa sem fim precisava terminar, e vendo-se cada vez mais acuado, Rá enviou então uma mensagem à sua mãe Neith, a Dama de Saís, para que ela se manifestasse. A resposta veio breve e cheia de impropérios: Neith condenava o comportamento falso dos deuses, e exigia que Hórus fosse legitimado e tomasse posse da herança de seu pai, a qual lhe cabia de direito irrefutável. Diante disso, Rá proclamou Hórus herdeiro de Osíris e decretou que Seth reinasse sobre o deserto e tudo o que fosse estéril.
Os deuses se rejubilaram com a decisão, Hórus tomou posse do Egito e a paz voltou a reinar: os dois combatentes estavam apaziguados.
Este drama sagrado tornou-se uma iniciação no interior dos templos. Para os egípcios, atingia-se a iniciação de dois modos: vivenciando os ritos simbólicos no interior do templo, ao se candidatar ao sacerdócio, ou pela morte real.
Com o tempo, o drama sagrado dividiu-se em iniciação aos Mistérios de Osíris, de Ísis e de Hórus. Certos aspectos simbólicos desse mito, encontram-se expostos na Eneada Heliopolitana. Dele se subtrai o caráter divino do faraó. Faraó é Rá e Hórus sobre a terra, ou Filho de Rá e Hórus Vivente, pois no momento de sua sagração, o rei deixa de ser um ser humano e se torna Hórus ( assim como o Papa, ao ser coroado, recebe o Espírito Santo…). O trono do Egito é, por isso, o Trono de Hórus.
Este belo mito, o qual encerra em si infinitas interpretações, espelha os ciclos da natureza, o temperamento humano, a ânsia do egípcio pela imortalidade em Osíris, seu Salvador. É a mais bela lenda que o Egito nos legou, e o alicerce da Nação Egípcia. Toda mulher buscava ser como Ísis, todo filho, como Hórus, todo pai, como Osíris. E isto equivalia a praticar a Maat…ser justo e perfeito sobre a terra, para atingir a perfeição Absoluta.